Escritora Clara Averbuck afirma ter sido estuprada por motorista do Uber

Ela escreveu relato do abuso em sua página pessoal no Facebook.

Escritora Clara Averbuck afirma ter sido estuprada por motorista do Uber

A escritora Clara Averbuck fez um relato nesta segunda-feira (28) em seu Facebook em que afirma ter sido violentada por um motorista do Uber em São Paulo. Clara, que também é colunista da Revista Donna, afirmou ter virado “estatística de novo”, referindo-se a um episódio anterior da adolescência, quando foi estuprada.

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

“Queria chamar de ‘tentativa de estupro’, mas foi estupro mesmo. Tava bêbada? Tava. Foda-se. Não vou incorrer no mesmo erro de quando eu era adolescente e me culpar. Fui violada de novo, violada porque sou mulher, violada porque estava vulnerável e mesmo que não estivesse poderia ter acontecido também”, escreveu a escritora no relato postado por volta das 10h30min da manhã desta segunda-feira. Clara está em São Paulo.

Ela ainda acrescentou: “O nojento do motorista do Uber aproveitou meu estado, minha saia, minha calcinha pequena e enfiou um dedo imundo em mim, ainda pagando de que estava ajudando ‘a bêbada'”. Ela afirmou estar “machucada”. “Estou em casa e medicada pra me acalmar”, afirmou.

Ela declarou que está decidindo se irá denunciar o fato. “Estou decidindo se quero me submeter à violência que é ir numa delegacia da mulher ser questionada, já que a violência sexual é o único crime que a vítima é que tem que provar. Não quero impunidade de criminoso sexual mas também não quero me submeter à violência de Estado. Justamente por ter levado tantas mulheres na delegacia é que eu sei o que me espera. Estou ponderando.”

“Estou com o olho roxo e a culpa de ter bebido e me colocado em posição vulnerável não me larga. A culpa não é minha. Eu sei. A dor, a raiva e a impotência também não me largam. Estou falando tudo isso para que todas as que me leem saibam que pode acontecer com qualquer uma, a qualquer momento, e que o desamparo e o desespero são inevitáveis. O mundo é um lugar horrível pra ser mulher”, finalizou.

A escritora gaúcha já havia revelado anteriormente que foi vítima de estupro aos 13 anos. O crime ocorreu em uma festa de uma escola particular e foi cometido por três homens.

Em nota, o Uber afirmou que ” repudia qualquer tipo de violência contra mulheres”. Além disso, confirmou que baniu o motorista do aplicativo. Leia a íntegra abaixo:

“A Uber repudia qualquer tipo de violência contra mulheres. O motorista parceiro foi banido e estamos à disposição das autoridades competentes para colaborar com as investigações. Acreditamos na importância de combater, coibir e denunciar casos de assédio e violência contra a mulher”.